Arquivo da categoria ‘Campeonato Brasileiro’

Rafael Moura, Rildo, Gilberto, Bergson… Propostas apresentadas não seduzem principais alvos para setor mais carente do time, e divergências salariais fazem com que eles saiam do radar alvinegro

Quer pagar quanto? Não é aquele famoso comercial de uma rede de varejo, exibido na TV no início dos anos 2.000, mas sim a realidade de um mercado brasileiro inflacionado no futebol. E um dos clubes que mais vem sofrendo com isso na busca por reforços é o Botafogo. Em dificuldades financeiras, a diretoria prioriza jogadores em fim de contrato, mas vem esbarrando em divergências salariais na hora de conseguir fechar negócio. E, assim, vê seus principais alvos saírem do radar, especialmente os atacantes.

Rafael Moura: o plano A para a vaga de Roger, por exemplo, era He-Man, que está de saída do Atlético-MG. O centroavante chegou a abrir negociações com o clube, mas a pedida salarial na faixa dos R$ 250 mil, fora luvas, assustou e fez melar a tratativa;

Bergson: o plano B era o artilheiro da Série B do Campeonato Brasileiro, com 16 gols pelo Paysandu. Porém, o Alvinegro ofereceu menos da metade do que pretendia ganhar o atacante, por volta de R$ 140 mil. Ele acabou fechando com o Atlético-PR;

Rildo: a corrida atrás de um camisa 9 não impedia a busca por um homem de lado, para suprir a saída de Guilherme. E o atacante, ex-Corinthians e de saída do Coritiba, entrou forte na pauta. O Botafogo ofereceu R$ 165 mil, ele pediu R$ 200 mil, e não houve acordo;

Gilberto: elogiado por Jair Ventura, ele virou alvo antes mesmo da saída de Roger. As conversas começaram ainda em outubro, voltaram após o Brasileiro, mas a oferta na casa dos R$ 200 mil não encheu os olhos do atacante, que prioriza o exterior e não fez contraproposta.

Pretendido pelo Botafogo, Bergson acertou com o Atlético-PR (Foto: Mauricio Mano/Site Oficial do CAP)

Anselmo Ramon, em fim de contrato com o Hangzhou Greentown, da China, virou a bola da vez pela camisa 9, mas as negociações ainda estão em estágio inicial. Fato é que o Botafogo tem pressa. Em recente entrevista ao GloboEsporte.com, o presidente Carlos Eduardo Pereira admitiu a urgência por um centroavante e projetou a contratação ainda para o mês de dezembro.

– Sem dúvida, quanto mais rápido tivermos uma definição melhor. Temos algumas opções, o Antônio Lopes (gerente de futebol) e o Antônio Carlos Azeredo (vice de futebol) estão tratando com nomes aprovados pelo Jair. Dependemos das outras partes, mas nossa vontade é entrar o ano com essa definição – disse CEP no fim do mês passado.

Anselmo Ramon virou a bola da vez do Botafogo para ser o camisa 9 em 2018 (Foto: sina.com)

Outro fato que também pode virar obstáculo é o receio de certos empresários em negociar com o Botafogo, após acumularem dívidas nas gestões anteriores do clube. A reportagem vira e mexe é questionada por agentes ou pessoas envolvidas em negociações a respeito da situação atual do Alvinegro, que há dois anos não tem mais salários atrasados.

As saídas já certas de Roger, Renan Fonseca, Jonas, Victor Luis e Guilherme abrem uma folga de cerca de R$ 500 mil na folha, porém, o clube precisará buscar ainda reforços em outras posições. Sem a vaga na Libertadores, o orçamento para 2018 será menor, por isso a diretoria finca os pés no chão nas negociações. Mas internamente há quem admita ter de investir um pouco mais uma hora.

Fonte: GE/Por Felippe Costa e Thiago Lima, Rio de Janeiro

Anúncios

Envolvido em troca encaminhada com Cruzeiro por Bruno Silva, jovem atacante já foi carrasco de rival em 2016, fez parceria com artilheiro cobiçado no mercado e está empolgado para jogar no Alvinegro

O Botafogo está perto de fechar com o seu primeiro reforço para 2018: o atacante Rony, envolvido na troca encaminhada com o Cruzeiro por Bruno Silva. Mas quem é o jovem de 22 anos que virou xodó no futebol japonês, é pouco conhecido no Brasil, nunca disputou a Série A do Campeonato Brasileiro e foi escolhido pela diretoria alvinegra como grande aposta para a próxima temporada, justamente no setor mais carente da equipe de Jair Ventura?

Ronielson da Silva Barbosa usa o nome artístico de Rony no futebol. Natural de Magalhães Barata, pequena cidade no nordeste do Pará, ele foi revelado no Remo como atacante de lado. Muito veloz, chamou a atenção do Cruzeiro, que em 2015 comprou seus direitos econômicos por R$ 700 mil. Mas na Raposa jogou só pelo sub-20 e, antes de estrear nos profissionais, acabou emprestado ao Náutico. Foi pelo Timbu que ganhou sua maior projeção a nível nacional:

Assista aos 11 gols de Rony pelo Náutico na Série B de 2016

Em 51 jogos, fez 14 gols. Sendo 11 deles na Série B, onde fez dupla de ataque com Bergson, atual artilheiro da Segunda Divisão e que foi o jogador mais cobiçado da atual janela de transferências até acertar com o Atlético-PR – segundo seu pai e empresário, ele recusou 19 propostas, entre elas um do próprio Botafogo. Foi lá também que virou carrasco do Vasco: marcou duas vezes na vitória por 3 a 1 na Arena Pernambuco, e na rodada seguinte o Cruz-Maltino perdeu de vez a liderança.

Desempenho que despertou o interesse do futebol asiático e o levou para o Albirex Niigata, da “J League”, Primeira Divisão japonesa. O clube investiu cerca de R$ 4 milhões em um contrato de empréstimo de um ano, mas com opção de renovação. Embora a equipe tenha ido mal na temporada, terminando em penúltimo lugar e rebaixada para a Segundona do país, Rony se salvou. Foi o artilheiro do time com sete gols em 32 jogos e virou xodó da torcida.

Filho Rony de Jesus nasceu no Japão em agosto (Foto: Divulgação / Albirex Niigata)

O Botafogo não o escolheu agora. Diretoria e comissão técnica já o acompanham há um ano e tentou sua contratação no fim de 2016, mas ele já estava acertado com os japoneses. Em 2018, o negócio tem tudo para enfim acontecer. Com o rebaixamento, fica mais difícil para o Albirex Niigata manter o atacante, que no último mês de agosto acabou de ser pai do pequeno Rony de Jesus. A chance de educar o filho no Brasil também pesa na vontade do jogador.

E a oportunidade de jogar no Botafogo já mexe com a cabeça do jovem, que passa férias no Pará e está muito motivado com a possibilidade concreta de desembarcar em General Severiano. Segundo o GloboEsporte.com apurou, o jovem já procura apartamento no Rio de Janeiro e será chamado para realizar os exames médicos no clube nos próximos dias. Porém, ainda falta um acerto salarial entre as partes e burocracias a resolverem com Cruzeiro e Albirex Niigata.

Rony em ação pelo Albirex Niigata: atacante foi o artilheiro do time japonês (Foto: Getty)

Fonte: GE/Por Marcelo Baltar, Felippe Costa e Thiago Lima, Rio de Janeiro

Dia do pagamento à vista dos R$ 4 milhões, aprovação nos exames médicos de Rony, envolvido na troca, e “ok” da Ponte Preta são os últimos entraves para sacramentar a negociação

Falta pouco para o fim da novela Bruno Silva. É o que acredita o Cruzeiro, que espera finalizar a negociação ainda esta semana. A Raposa aceitou a contraproposta do Botafogo de pagar R$ 4 milhões à vista pelo volante, de 31 anos e destaque do Campeonato Brasileiro, e ceder parte dos direitos econômicos do atacante Rony, de 22, que ainda precisa ser aprovado nos exames médicos. Falta principalmente acertarem a data da transferência bancária: no próximo dia 4, como o Alvinegro quer, ou em 10 de janeiro, como ofereceu o clube mineiro.

Botafogo x Bahia Bruno Silva (Foto: Agência Estado)

Outros detalhes restantes para anunciarem a troca é a aprovação de Rony nos exames médicos, que ainda serão marcados pelo Botafogo, e o “ok” da Ponte Preta, dona de 60% dos direitos econômicos de Bruno Silva e por isso precisa autorizar a transferência. Entretanto, o Cruzeiro está confiante em um final feliz ainda nesta semana. Os departamentos jurídicos dos dois clubes já estão, inclusive, em contato para alinhavar as situações e confecção do contrato de venda.

Na negociação, o Cruzeiro aceitou pagar R$ 1 milhão a mais do que havia oferecido de forma parcelada. O GloboEsporte.com apurou que o Botafogo tomou conhecimento de alguns atrasos salarias na Raposa e por isso exigiu o pagamento à vista. Além disso, vai ceder parte dos direitos de Rony, que está emprestado ao Albirex Niigata, do Japão, até 1º de janeiro, mas com cláusula de renovação. Porém, o jogador tem tudo para voltar ao futebol brasileiro e vestir a camisa alvinegra.

Bruno Silva foi um dos mais importantes do Botafogo na temporada: disputou 60 jogos, fez nove gols, deu oito assistências e foi eleito para a seleção do Campeonato Brasileiro. Ele tem contrato até o fim de 2018, com multa rescisória de R$ 20 milhões – a ideia do Cruzeiro é comprar os 40% dos direitos econômicos que pertencem ao Alvinegro, o restante é da Ponte Preta. Outro interessado no volante, o Internacional desistiu do negócio. A vontade dele em jogar em Belo Horizonte pesou.

Fonte: GE/Por Gabriel Duarte, Marcelo Baltar e Thiago Lima, de Belo Horizonte e Rio de Janeiro

Treinador do Botafogo terá que escolher entre o ídolo e o paraguaio, que brilhou em 2017. No ano que vem, ao contrário deste, os dois goleiros partem em condições de igualdade

Jefferson e Gatito Fernández (Foto: Satiro Sodré/SSPress/Botafogo)

Uma das muitas dúvidas que circulam entre os torcedores do Botafogo neste fim de ano é saber quem será o titular na meta alvinegra em 2018: o ídolo Jefferson, dono do maior salário do clube, que começou esta temporada com uma lesão ou o paraguaio Gatito Fernández, que defendeu oito de 14 pênaltis em 2017, ganhou dois prêmios individuais e “roubou” a vaga após Helton Leite se machucar contra o Olimpia? O técnico Jair Ventura diz já estar decidido, mas faz mistério e ainda explica o que pesou para a decisão: meritocracia.

– Já está definido. Na cabeça do treinador está sempre definido. Não posso revelar, vocês vão ter que esperar até o primeiro jogo. É uma decisão difícil, são dois grandes atletas, um com história recente, outro com história mais do passado, mas são dois grandes atletas. O Botafogo está muito bem servido, isso é o importante. Quando sair a escalação eu vou explicar o porquê. Se eu falar agora, você já vai saber quem é – comentou o técnico, em entrevista à Rádio Tupi.

Os dois têm contrato com o Glorioso até o final de 2018, mas alguns torcedores demonstram certa insegurança: será que algum dos goleiros vai querer deixar o time, insatisfeito com a reserva? Além do ídolo, que fará 35 anos no próximo dia 2, e do paraguaio, o Botafogo conta com Saulo, Helton Leite e Daniel. O segundo, porém, pode ser emprestado ao São Caetano, enquanto o primeiro, quarto na hierarquia da posição neste ano, tem contrato se encerrando no próximo dia 31 e ainda não sabe se fica pro ano que vem.

Fonte: Lancenet/Rio de Janeiro (RJ)


Ex-Manchester United, irmão gêmeo de Rafael, lateral é titular no Middlesbrough, afirma que quer renovar contrato por três anos, mas balançaria com proposta do time de coração

Há quase 10 anos, os gêmeos Rafael e Fábio deixaram o Brasil para atuarem no Manchester United. Eram jovens de apenas 17 anos e cercados de expectativa para se tornarem grandes nomes do futebol brasileiro. O primeiro, lateral-direito, atuou em 170 partidas pelos Red Devils e hoje é titular do Lyon, na França. Fábio, lateral-esquerdo, jogou menos pelo clube inglês: 56 vezes. Depois, rodou por equipes menores da Inglaterra até chegar ao Middlesbrough, onde está atualmente. Apesar de não ter alcançado o mesmo sucesso que o irmão, vive boa fase na segunda divisão do país e acredita estar no auge de sua carreira.

Fabio assumiu a titularidade do Middlesbrough na atual temporada (Foto: Getty Images)

A verdade é que Fábio teve sim bons momentos, mas jamais atingiu o nível que se esperava. Teve chances no Manchester United, como na decisão da Liga dos Campeões de 2010/11, quando foi titular na derrota para o Barcelona. Na Seleção, foi chamado por Mano Menezes e atuou em amistosos contra Gabão e Costa Rica, em 2011. Mas, ficou devendo. Agora, em equipes menores e com menos pressão sob seus ombros, o lateral brasileiro parece ter se encontrado. Virou titular absoluto no Middlesbrough, na segunda divisão inglesa, e tem colecionado boas atuações, segundo ele próprio analisa.

– Acho que estou no auge da minha forma física, com 27 anos, aprendi muito com esses 10 anos na Inglaterra. Me assistindo, e vendo o que tenho jogado, acho que estou no meu melhor momento sim (…) Quando cheguei no Manchester, acho que fiquei tímido, vinha do Fluminense, Seleção, capitão (do Brasil sub-17)… no Manchester, eu perdi um pouco a confiança, não evoluí o que esperavam. Depois, eu fiquei tendo altos e baixos. Joguei final de Champions, mas não tive consistência. Fui para a Seleção com o Mano, mas eu não estava bem naquela época e fui mal, não joguei bem. Quando fui para os outros times, tiveram os rebaixamentos, perdia a confiança – explicou o lateral em entrevista por telefone ao GloboEsporte.com.

No Middlesbrough, Fábio é querido pela torcida. Não poderia ser diferente com um clube que sempre abraçou jogadores brasileiros e tem como um de seus maiores ídolos Juninho Paulista, que disputou finais da Copa da Inglaterra e Copa da Liga Inglesa na temporada de 1996/97. O lateral se disse impressionado com o carinho e afirmou que fotos do ex-meia estão espalhadas pelo CT e pelo estádio do “Boro” e o nome do ex-são-paulino e é sempre falado e lembrado pelos torcedores.

– O Juninho é o Pelé para eles. Não estou exagerando. É o maior ídolo da história do Middlesbrough. É como é o Zico para o Flamengo. Os caras falam do Juninho aqui o tempo todo, é impressionante. Eu não sabia que era tão grande assim (…) Não sei se por ser brasileiro também, mas o torcedor gosta muito de mim. Disso não dá para reclamar. No Cardiff também acontecia. Até no Manchester, mesmo não jogando tanto, a torcida sempre gostou muito de mim – afirmou.

Fabio ficou no Manchester United entre 2008 e 2014 (Foto: Reuters)

Porém, o pensamento de Fábio volta e meia está no Brasil. Apesar de ter crescido nas divisões de base do Fluminense, o lateral é torcedor confesso do Botafogo. Nas redes sociais, posta com frequência mostrando seu amor pelo Alvinegro do Rio de Janeiro, assim como seu irmão Rafael. O lateral confessa que ambos sonham em, no futuro, atuarem juntos no clube de coração. Com contrato perto do fim – em junho de 2018 – ele espera renovar com o Middlesbrough, mas diz que balançaria com uma proposta do Glorioso.

– O Botafogo me balança sempre. Eu sou botafoguense e meu sonho é jogar no Botafogo. Eu penso em fazer um contrato de mais três anos, ficar até os 30 anos (no Middlesbrough). Depois, quero jogar no Botafogo e encerrar minha carreira lá. Claro que eu e o Rafael temos o sonho de jogar juntos sim. Jogamos em funções parecidas, na lateral, mas de repente eu me mudo para volante (risos). Mas temos sim esse sonho de jogar juntos pelo Botafogo – confessou.

Fabio não esconde a torcida pelo Botafogo nas redes sociais (Foto: Reprodução / Instagram)

O maior problema para deixar a Inglaterra neste momento é o próprio Middlesbrough. Apesar do contrato próximo do fim, o clube pode exercer uma cláusula de renovação automática e ainda negocia uma extensão de vínculo com o lateral. Em junho deste ano, após a queda para a segunda divisão, Fábio pediu para deixar a equipe e, com proposta de fora, como do Sporting, de Portugal, e do Cruzeiro, pensou em voltar ao Brasil. No entanto, a saída foi dificultada pelos ingleses, que pediram um valor acima da realidade para liberá-lo.

No entanto, a ideia de sair do Middlesbrough já deixou de ser prioridade para Fábio. O lateral explica que sua boa fase o fez ter mais paciência e vontade de permanecer por mais tempo na Inglaterra. Somado a isso, o momento vivido pelo Brasil, com crises políticas e de violência, o deixa com o pé atrás para retornar ao país.

– Me deixa triste ver como está o Brasil. Se o país estivesse melhor, tanto na parte política como de violência, talvez eu teria voltado há mais tempo. A qualidade de vida é boa aqui na Inglaterra, mas tem o frio, sempre chovendo… tem poucas coisas para fazer. Sou muito ativo, gosto da praia, de bater um futevôlei, de sair com os amigos. Eu quero voltar para o Brasil. Minha opinião já mudou várias vezes, então não sei se voltaria agora. Há quatro meses eu estava pensando muito em voltar. Hoje, eu já penso de outra maneira – disse, deixando claro que deve permanecer mais tempo na Inglaterra.

E, se aparecesse uma proposta do Flamengo? Será que a idolatria de Fábio pelo Botafogo atrapalharia uma negociação? Sem pensar duas vezes, o lateral garantiu:

– Sem ser no Botafogo, eu só jogaria no Fluminense (no Rio). Por ter começado a carreira lá, tenho esse carinho. Mas só.

MANCHESTER UNITED

Fonte: GE/Por Thiago Quintella, Rio de Janeiro

Dos cinco jogadores que o plantel alvinegro tem nesta posição, quatro são meninos da base e dois ainda vão subir: Igor Rabello, Marcelo, Kanu e Helerson. Capitão, Carli é o outro

Kanu, ao lado de Marcelo, comemora gol nas categorias de base do Botafogo (Foto: Divulgação/Botafogo)

A zaga do Botafogo versão 2018 terá uma peculiaridade: Quatro dos cinco jogadores da posição são garotos, todos formados nas categorias de base do Alvinegro. São eles: Helerson e Kanu, ambos de 20 anos, que serão promovidos aos profissionais nesta pré-temporada, e os ‘veteranos’ Igor Rabello, de 22 anos, e Marcelo, que fará 22 no próximo dia 07. O quarteto se une ao argentino e mais experiente Joel Carli, capitão do Glorioso, de 31 anos. Diante deste cenário, a média de idade dos jogadores da posição é 23.

A pré-temporada do Botafogo começa no próximo dia 04 e três dias depois, o Alvinegro se muda para Domingos Martins-ES, onde ficará até a estreia no Carioca, contra a Portuguesa, no Nilton Santos, no dia 17/01. O time de Jair Ventura terá essa configuração na próxima temporada porque Renan Fonseca não teve o contrato renovado, Emerson Silva terá o mesmo destino e Emerson, outro formado em General Severiano, acertou com o Palmeiras. E a julgar pela movimentação do Botafogo no mercado, mais focado no setor ofensivo, o Alvinegro não trará ninguém para o setor.


Inexperiência de Kanu e Helerson vai pesar?

A inexperiência do quarteto comprometerá o próximo ano? Isso só o tempo dirá, mas o certo é que os quatro têm boas credenciais. Kanu e Helerson chegaram a completar um treino da Seleção Brasileira principal, em outubro, na Granja Comary. O primeiro até foi inscrito no último Campeonato Carioca, mas não chegou a jogar. Treinar com os principais não será uma novidade para ele, que fez o gol do título do Brasileirão Sub-20 de 2016 e talvez seja por isso que o segundo, Helerson, crava: a inexperiência não vai atrapalhar o Botafogo.

– Eu e o Kanu subimos agora, ainda não tivemos a chance de jogar nos profissionais, mas o convívio lá em cima e os treinos diários nos darão experiência para quando a oportunidade pintar a gente não comprometer. É bom saber que o Botafogo está dando essa chance aos jovens. Isso mostra que acredita no nosso potencial. E dos quatro, dois já têm uma boa experiência – contou Helerson, em contato com o LANCE!

Marcelo, o homem de gelo

Marcelo é conhecido pela ‘personalidade’. Ele foi eleito o melhor em campo na primeira final do Brasileirão Sub-20 do ano passado, temporada que oscilou entre base e profissional, após chegar por empréstimo do Fluminense, no início de 2016. Convenceu e o Alvinegro comprou 60% dos direitos do jogador, que terminou aquela temporada com um jogo no profissional, justamente contra o Flu, e relacionado para mais outros 11 jogos.

Ele foi promovido em definitivo no início de 2017. Em março, veio uma renovação até o fim de 2020 e aumento da joia. Há torcedor, inclusive, que implora para que Jair Ventura o escale ao lado de Igor Rabello, que já é mais conhecido do torcedor, titular.

Igor Rabello tem 2017 especial

Recém formado em Educação Física, o ‘General’ é frio e já mostrou que um dos seus pontos fortes é a jogada aérea. Talvez por isso tenha recebido uma proposta da Udinese, da Itália, no meio deste ano, e é monitorado por outras equipes como o Anderlecht, da Bélgica.

No clube desde 2012, ele foi promovido em 2014, relacionado para alguns jogos, mas não estreou. No ano seguinte, com o time na B, revezou entre os profissionais e a base, mas tudo o que colheu nos profissionais foi ser relacionado para um jogo na Copa BR. Nos ‘Aspirantes’, marcou no Flamengo.

No ano passado, nova promoção – agora em definitivo. Foi relacionado para dois jogos, atuou em outros dois, mas foi emprestado para o Náutico disputar a Série B. Brilhou por lá, deixou saudade e voltou no início de 2017, mas para ser reserva. Conquistou a titularidade, virou queridinho dos torcedores e dos europeus, fez dois gols e ainda concluiu a graduação.

Igor Rabello – 50 jogos e dois gols – 22 anos

Marcelo – 27 jogos e um gols – 21 anos

Helerson e Kanu- Ainda não estrearam – Ambos têm 20 anos

Carli – 79 jogos e quatro gols – 31 anos

Fonte: Lancenet/Rafael Bortoloti /Rio de Janeiro (RJ)

 

Pedro Basseto, lateral-esquerdo do Sub-17 com a camisa alvinegra (Imagem da internet)

Pelo jeito, a restruturação do elenco principal do Botafogo para a próxima temporada, iniciada antes mesmo do último jogo pelo Campeonato Brasileiro, contagiou as categorias de base. O jogador Pedro Basseto do sub-17, que participou da campanha vitoriosa desse ano – Campeão da Taça Rio e Vice do Campeonato Carioca – foi dispensado pelo clube no começo da semana. Segundo informações, com a alegação de que haviam muitos jogadores no Sub-20 e que o clube não iria utiliza-lo.

Isso pode ser o prenuncio de uma reformulação mais profunda também nas categorias de base, refletindo o momento de mudanças estruturais pelo qual passa o clube nesses tempos de contingenciamento de recursos, lembrando que, conforme noticiado pela imprensa, alguns atletas que atingiram o limite de idade da categoria Sub-20 subirão para o profissional.


É o caso dos zagueiros Kanu e Helerson e do atacante Lucas Campos que serão integrados ao time de Jair Ventura na pré-temporada, em Domingos Martins-ES. Yuri deverá ser aproveitado após empréstimo enquanto Gorne e Lindemberg podem ser emprestados. Isso sem falar no Ezequiel, o mais novo deles, com 19 anos, que encabeça lista dos recém-promovidos. O atacante já fez sua estreia no time principal e marcou um golaço no último jogo da temporada, no empate em 2 a 2 com o Cruzeiro.

Pedro Basseto se despediu do Botafogo pelas redes sociais (Imagem da internet)

O lateral esquerdo Pedro Basseto de 17 anos, é canhoto, tem 1,88 m e é natural do município de Colorado-PR. Segundo o site People Futebol, Pedro começou a carreira em 2015 atuando pela categoria sub-15 do PSTC de Londrina, clube formador da região norte do Paraná. Em seu primeiro ano no clube paranaense, o atleta já demonstrava alto rendimento jogando na lateral esquerda, sua posição de origem.

Basseto é um jogador versátil e forte que tem como principal característica um forte arremate nas faltas de média e longa distancia. Apesar da pouca idade, passou pelas categorias de base do Avaí e do Cruzeiro antes de chegar ao Glorioso.

O atleta se despediu do clube ontem pelas redes sociais com uma postagem no twitter: Tanks @BotafogoOficial. Até logo, dando a entender que um dia pensa voltar ao clube.

Segundo fontes próximas do jogador, Pedro Basseto está abatido mas disposto a continuar batalhando na carreira. Está aberto à propostas e confiante que voltará em breve a atuar por outro clube.

Desejamos a melhor sorte do mundo ao ex-atleta alvinegro para que ele consiga levar adiante o sonho de se tornar um jogador de destaque no futebol brasileiro.

Se quiserem dar uma força para o atleta nesse momento, a conta dele no twitter é : @PedrooBasseto

 

Leia também: Bom dia Alvinegros

Saudações a todos e fiquem à vontade para comentar

 

 Por @FelipaoBfr/Botafogodeprimeira.com